Categorias: Exposição, Museu, Passeios

Gratuidade do Museu do Ipiranga é estendida até 30 de março

A reabertura do Museu do Ipiranga conta com 12 exposições com itens de acervo inteiramente restaurados, entre outras novidades

Que família paulistana não está com muita expectativa para ver como ficou o Museu do Ipiranga, não é mesmo? Ele está reaberto e é um dos mais completos e modernos museus da América Latina. Com o dobro da área construída, reúne  12 exposições com itens de acervo inteiramente restaurados, além de recursos multissensoriais presentes nas obras, como reproduções 3D e até dispositivos olfativos. Eu já fui visitar o museu e conto mais neste vídeo CLIQUE AQUI.

A novidade é que eles decidiram estender a gratuidade na entrada mais uma vez, agora até 30 de março de 2023. A reserva de ingressos acontece todas as sextas-feiras, às 10h, para a semana seguinte. O agendamento é feito diretamente no site do Museu AQUI.

Você ainda pode ajudar quem precisa doando 1 kilo de alimento não perecível no dia da visita. O ponto de coleta está na bilheteria.

Uma dica: se você não conseguir agendar a visita antecipada pode tentar adquirir ingressos diretamente na bilheteria do museu. A distribuição começa às 11h30, é feita por ordem de chegada, e sujeita a lotação. Novos bilhetes são liberados a cada hora.

Dicas importantes:

✔️O uso de máscara para entrar no Museu do Ipiranga é obrigatório devido ao aumento dos casos de Covid-19.

✔️Cada CPF pode colocar até quatro ingressos no carrinho.

✔️Para agilizar a sua compra, faça o login no site antes da hora prevista, atualize a página de tempos em tempos. E para não perder nem um segundo, saiba de antemão o número do seu documento, o dia e o horário em que quer fazer a visita.

✔️Como a procura é muito grande, os convites esgotam-se em minutos.

✔️Quando chegar ao museu, pegue o folheto da programação na bilheteria para conseguir aproveitar melhor o passeio.

✔️Os ingressos são transferíveis. Ou seja: você pessoa pode ceder o bilhete para outra, sem a necessidade de modificar o cadastro.

 ✔️Não é necessário imprimir o ingresso. Pode ser apresentado na tela do smartphone ou tablet.

✔️Crianças com até 6 anos de idade não precisam de ingresso.

✔️ Pessoas com deficiência e um acompanhante não precisam fazer reserva. Basta retirarem os ingressos na bilheteria.

✔️ O guarda-volumes já está em funcionamento 

✔️ Estacionamentoestacionamento:  – as vagas são apenas para idosos e pessoas com deficiência.

Restauração do Museu do Ipiranga e do acervo

Nos últimos três anos, o Museu passou por uma reforma que contou com a construção de um edifício ampliação. A expansão abriga a nova entrada integrada ao Jardim Francês, além de bilheteria, café, loja, auditório para 200 pessoas, espaços e salas para atendimento educativo e uma grande sala de exposições temporárias. Com o novo espaço, o Museu dobra de tamanho. Também houve o restauro do Edifício-Monumento, em que foram realizados reparos em todos os detalhes da refinada arquitetura.

Juntamente às obras de restauro e ampliação, acontecem os trabalhos de conservação dos itens que estão expostos na reabertura. São mais de 3 mil objetos do acervo que estão passando ou já passaram por restauração.

Exposições e objetos expostos

No novo Museu do Ipiranga, o público tem acesso a 12 exposições – 11 de longa duração e uma mostra temporária. As de longa duração são divididas em dois eixos temáticos: Para Entender a Sociedade e Para Entender o Museu. A exposição de curta duração, denominada Memórias da Independência, estará aberta por quatro meses. O tema foi escolhido por estar diretamente relacionado ao ano de reabertura do Museu e ao bicentenário da Independência. A exposição traz acervos de outras instituições brasileiras, especialmente do Rio de Janeiro e da Bahia. 

No total, são expostos 3.058 itens pertencentes ao acervo do Museu. Além disso, são expostos 509 itens de outras coleções e 76 reproduções e fac-símiles. A maior parte dos objetos data dos séculos 19 e 20. Há itens, porém, mais antigos, que remontam ao Brasil colonial. São pinturas, esculturas, moedas, documentos textuais, fotografias, objetos em tecido e madeira que foram conservados e preparados para fazer parte do novo projeto expográfico. 

Acessibilidade no Museu do Ipiranga

Outra premissa do novo projeto é a acessibilidade. Além da acessibilidade física do edifício, que foi equipado com elevadores e rampas de acesso, as exposições também foram pensadas para oferecer condições mais amplas de exploração do acervo por parte do público. Para isso, 379 peças têm tratamento multissensorial. 

Há telas táteis, reproduções em metal, dioramas (maquetes tridimensionais feitas a partir das obras do Museu) e plantas táteis para localização dos visitantes. Além disso, traz dispositivos olfativos e reproduções visuais e táteis (reproduções de imagens com aplicações de texturas para o toque). Tem também reproduções 3D em outros materiais semelhantes aos objetos originais (como pedra e metal). Além disso, há cadernos em Braile e amostras de texturas. E também objetos originais adquiridos especificamente para o manuseio dos visitantes. 

O processo ainda se completa na programação educativa a ser oferecida. Isso ocorre por meio de ações e estratégias de mediação que visam contemplar distintos perfis de público.

Museu do Ipiranga

Multimídia no Museu do Ipiranga

Os recursos multimídias são outra importante forma de se relacionar com os visitantes. Ao longo das 49 salas expositivas, há mesas interativas com múltiplos recursos como textos, imagens, monitores audiovisuais e objetos táteis. Os objetos expostos são integrados à arquitetura do edifício-monumento. Isso cria um diálogo entre o que está sendo exposto e a construção palaciana inaugurada em 1895. As exposições contam com 62 peças audiovisuais. 

Conheça as 12 exposições do Novo Museu do Ipiranga:

Para Entender a Sociedade

Esse eixo apresenta para o público as pesquisas desenvolvidas pelo corpo docente do Museu. Essas pesquisas dizem respeito a processos sociais ligados aos imaginários que alimentam histórias do Brasil. Elas nem o universo do trabalho e a constituição dos espaços domésticos como lugares de formação de identidades.

Exposições

Uma História do Brasil: a exposição compreende o hall, a escadaria principal e o salão nobre e tem como acervo principal as obras de arte que estão integradas à arquitetura, como a tela Independência ou Morte, de Pedro Américo.

Passados Imaginados: exibe as telas de grandes dimensões, além da maquete de gesso representando a cidade de São Paulo em 1841. 

Territórios em Disputa: aqui serão expostos os objetos ligados à colonização mais antigos do Museu, que remontam aos séculos 16 e 17. São objetos, cartas de sesmaria, mapas e outros documentos que contam como os europeus implantaram nas terras coloniais noções de território que se materializaram não apenas por meio de legislação ou da força bruta, mas pelo uso de objetos inéditos para os povos indígenas.

Mundos do Trabalho: a exposição trata do universo do trabalho num amplo espectro de atividades desde o período colonial até os dias atuais. 

Casas e Coisas: expõe o processo de transformação dos espaços da casa que levou ao esvaziamento de suas funções produtivas. A casa era um lugar multifuncional. a Sociedade fica num espaço que leva ao mirante do Edifício-Monumento. Nela, serão apresentadas imagens que mostram os diferentes momentos da história da cidade de São Paulo.

Para Entender o Museu

As exposições desse eixo trarão informações sobre a história do edifício. Terão informações também da instituição e seu ciclo curatorial (aquisição, conservação, catalogação, exposição).

Como analisar processos históricos nunca é um trabalho neutro, é fundamental tornar transparente o modo de produção desses conhecimentos. Isso se faz buscando distinguir memória, uma categoria social, da História, uma categoria cognitiva que permite o fenômeno social da memória. 

Além de uma exposição introdutória sobre esses temas, o eixo conta com mais quatro exposições. Elas exibirão as maiores coleções do Museu – medalhas, moedas, imagens e objetos do cotidiano, brinquedos e louças nacionais e estrangeiras. Elas serão utilizadas para demonstrar o funcionamento do ciclo curatorial, discutidos a partir de quatro atividades chamadas de 4Cs – Coletar, Catalogar, Conservar e Comunicar.

Exposições

Para Entender o Museu: exposição introdutória sobre o eixo. Conta a história do edifício e da instituição. Explica como é o trabalho na área de História e Cultura Material e como surgiu o Museu. Explica também porque ele foi instalado em um edifício projetado para ser um monumento à memória da Independência.

Coletar: imagens e objetos. Amostras de nossas coleções são utilizadas para explicar as mudanças nas políticas de coleta de documentos. 

Catalogar: moedas e medalhas. A prática da catalogação será explorada a partir da tradicional coleção de moedas e medalhas. Elas tem formas muito estabelecidas de identificação e descrição de seus materiais e suas simbologias.

Conservar: brinquedos. São centenas de objetos de brincar de casinha ao lado de carrinhos, espaçonaves e foguetes. 

Comunicar: louças. Será possível mostrar como se produz uma exposição, bem diferente da prática de simplesmente expor os objetos, relacionada à seleção, criação e interpretação, portanto, de um processo de conhecimento que está longe de ser neutro ou de atestar uma verdade.

Exposição temporária – Memórias da Independência 

A exposição, com duração de quatro meses, inaugura a área nova de expansão do Museu sob a Esplanada.

São tratadas as diferentes práticas memoriais e comemorativas. Elas são relacionadas ao processo de Independência, que resultaram em sucessivas celebrações ao longo dos séculos 19, 20 e 21.

Por ela, você pode entender como o processo de ruptura foi também disputado por projetos celebrativos e festividades que ocorreram em São Paulo, no Rio de Janeiro (a antiga capital) e em Salvador (onde o processo de Independência só foi concluído em 1823). 

Serviço Passeios Kids

Dias e horários:

O Edifício-Monumento funciona de terça a domingo, das 11h às 17h (com a última entrada no prédio às 16h). Fechado às segundas-feiras.

O Jardim Francês funciona todos os dias, das 5h às 20h, com acesso livre.

Local: Museu do Ipiranga

Endereço: Rua dos Patriotas, 100, Ipiranga, São Paulo – SP

Valor: gratuito até 30/12/22. As reservas de ingressos acontecem todas as sextas-feiras, às 10h, no site do museu.

Como chegar de transporte público:

As estações de metrô mais próximas são a Alto do Ipiranga e Sacomã, ambas da linha verde, mas ficam a 2,5 km de distância. Uma dica é descer nas estações Sacomã ou Vila Mariana e pegar um ônibus nos terminais ou pegar um carro de aplicativo, cujo valor médio é R$20.

Site: https://museudoipiranga2022.org.br/

Informações adicionais:

VISITAS DE GRUPOS – Não estão  atendendo grupos no mês de setembro. Obtenha mais informações no site do museu. 

GUARDA-VOLUMES – já está em funcionamento. 

ESTACIONAMENTO – O museu tem vagas disponíveis apenas para idosos e pessoas com deficiência 

Publicidade

Família no Parque